“Senhor, por que eu?” O nosso pároco padre Bruno Áthila ainda busca a resposta para esta pergunta que fez no dia da sua ordenação há seis anos, em Codó, no Maranhão. Para o padre, a vocação é um mistério de Deus e ao vocacionado só cabe dizer “Eis-me aqui, Senhor”. No sábado, dia 30 de junho, uma missa solene celebrou os seis anos da sua ordenação. E para fechar com chave de ouro, houve o concerto Batalhas e Paixões, da Orquestra Barroca Capriccio Stravagante, da UEL (Universidade Estadual de Londrina).

Padre Bruno lembrou que o número seis representa a imperfeição. O homem foi criado no sexto dia. “Ainda sou imperfeito, mas estou no caminho da perfeição junto com vocês. No caminho de ser fiel a Deus”, disse. “Todos os dias me pergunto por quê? E a resposta é porque Deus escolhe”, afirmou.

Em sua homília da celebração de São Pedro e São Paulo, o pároco enfatizou que Deus gosta de trabalhar com as imperfeições, pois escolheu para ser chefe da sua Igreja Pedro, o mais atrapalhado e, talvez, menos preparado dos apóstolos. Mas foi a ele, Pedro que Jesus confiou a missão de continuar a obra de Deus.

O nosso vigário, padre Pedro Ramos de Faria, agradeceu o sim do padre Bruno para ser nosso pároco e afirmou que aprende muito com as palavras, cursos e ensinamentos deles. “Você é digno de trazer Jesus para nós. A fé, a Palavra e os ensinamentos que o povo precisa. Agradeço a Deus por esse jovem”, disse o vigário. O casal do CPP (Conselho Pastoral Paroquial) Dênison Utiyamada e Patrícia Lamberti Utiyamada entregou um presente ao nosso pároco.

CONCERTO
A Orquestra Barraca Capriccio Stravagante, da divisão de música da UEL, apresentou o concerto Batalhas e Paixões com músicas italianas e francesas que remetem as questões afetivas. A orquestra que resgata músicas do século 16 e 17.

Até o fim do ano, a orquestra deverá fazer uma apresentação por mês na nossa paróquia. “Tocar na igreja é muito legal. A acústica é perfeita e é o ambiente que havia naquela época. Eram nas igrejas que os músicos se apresentavam. A acústica aqui da Rainha dos Apóstolos é fantástica”, elogiou a musicista Luciana Schmidt.
O concerto contou com três violinos, percussão, piano imitando cravo, viola de gamba, guitarra barroca, contrabaixo e flauta doce.