“A participação na Missa da Penitência durante a Quaresma é um esforço que o cristão faz para demonstrar o desejo de ser uma pessoa melhor e de que nenhum sacrifício é muito para mostrar o nosso amor a Deus”.

A afirmação foi feita pelo nosso futuro pároco, o padre Bruno Áthila, durante a Missa da Penitência desta sexta-feira, dia 23 de fevereiro, que começa às 5 e meia da manhã.

Em sua homilia, o padre Bruno lembrou que estamos em um tempo de reconciliação com Deus e com o irmão. O Evangelho de São Mateus diz que “quando tu estiveres levando tua oferta para o altar e ali lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu amigo. Só então vai apresentar tua oferta.”

Padre Bruno lembrou que estamos em um tempo de reconciliação com Deus e com o irmão

O sacerdote disse que a reconciliação é a senha para reconhecer quem é cristão, pois o irmão é a epifania de Deus. O padre Bruno afirmou ainda que a violência, tema da Campanha da Fraternidade, é gerada pela falta de Deus e por uma fé vivida no fingimento e na superficialidade.

Ao final da missa, os fiéis formaram duas filas para lavar as mãos em vasilhas com água e pétalas de flores em sinal de purificação. O gesto, no entanto, não substitui a confissão, ressaltou o padre Bruno.

Durante a Quaresma, nas sextas-feiras, haverá apenas a Missa da Penitência pela manhã e a Via Sacra, a partir das 19 horas.

Dia de Oração e Jejum

A Missa de Penitência do dia 23 de fevereiro foi em intenção aos irmãos dos países africanos do Congo e Sudão do Sul. O papa Francisco convidou todos os cristãos e fiéis de outras religiões para dedicar o Dia de Oração e Jejum em busca da paz e estabilidade nestes países.

Veja mais fotos na galeria:

joyeria pandora joyeria pandora