Inspirado em um texto de C. Signorelli

“Não existe situação humana que não possa conduzir à Eucaristia. A Eucaristia é para o mundo saúde, isto é, para a salvação do mundo, e vida para a vida do mundo. A Eucaristia, sobretudo neste momento difícil, não pode ser deixada à margem das nossas vidas, mas deveria ser colocada, ainda com mais força, ao centro da vida cristã”. Estas palavras são do Cardeal Gualtiero Bassetti, Presidente da prestigiada Conferência Episcopal Italiana – CEI –, no seu leito do hospital, vitimado pela COVID-19. As palavras do Cardeal mostram o caminho, que nós, como Igreja, devemos percorrer para enfrentar as dramáticas provas deste tempo, a partir da segunda onda da COVID-19, às portas do Santo Natal do Senhor.

Vale lembrar que, na Itália, a Eucaristia foi a grande ausente durante toda a primeira fase da pandemia. A carta do Cardeal ao povo italiano sinaliza uma mudança significativa que coloca todas as lideranças em perfeita coerência com a lógica de Deus.

“Desde quando estou em isolamento devido testar positivo para a COVID – diz Bassetti – tenho a possibilidade de comunicar-me todo dia no meu quarto, trouxeram uma pequena píxide na porta do meu quarto. Era necessária esta experiência de doença para que eu pudesse me dar conta de quão verdadeiras as palavras do Apocalipse nas quais Jesus diz ao anjo da Igreja de Laodicéia: “eis que estou à porta e bato. Se alguém escuta a minha voz e abre a porta para mim. Virei a ele, cearei com ele e ele comigo.” (Ap 3,20)

“Era necessária a experiência de doença”, diz o cardeal Bassetti, exatamente para destacar o caminho de fé que o sofrimento o faz percorrer, e que o está aproximando, de modo particular, do amor a Jesus Eucarístico.

O Cardeal continua afirmando: “Aquele pão consagrado transcende do altar, abraça todo o universo e une a si todos os problemas da humanidade, porque o Corpo de Jesus é extremamente unido ao corpo místico, que é toda a Igreja. Não existe situação humana que não possa ser contemplada pela Eucaristia”.

Não pode ser um acaso que alguns dias depois, junto ao leito do Cardeal Bassetti, por sua própria vontade, foi-lhe levada uma relíquia de Carlo Acutis – o jovem que fez da Eucaristia o amor de sua vida e o centro de sua santidade. É comovente saber que fora exatamente o Beato Carlo Acutis a quem o presidente da CEI invocou, com particular fervor, nos seus dias de grande sofrimento.

O Cardeal Bassetti não somente se limitou a proclamar seu amor pela Eucaristia, mas indicou, para a igreja e para o mundo, a Eucaristia – o caminho para a saída de toda provação material e espiritual. “Também o drama que estamos vivendo na Itália nestes últimos dias com o aumento da difusão da epidemia e a grave crise para muitos trabalhadores – não estão por fora do espectro da Eucaristia. Não existe consolação, não existe conforto, não existe ausência de lágrimas que não tenha o seu referimento a Jesus Eucarístico. A Eucaristia não é somente o sacramento onde se recebe a Cristo, mas é a alma do mundo e o ponto de convergência de todo o Universo”.

Por isso, neste Natal, em que celebramos o renascer da esperança na Encarnação do Verbo, queremos celebrar as Santas Missas com a alegria e a certeza de que este Mistério de Amor nos abraça por inteiro.

Muitos bispos estão defendendo o direito fundamental de celebrar o culto, como cidadãos livres, e, como a experiência da ausência da Eucaristia torna ainda mais enfraquecido o nosso caminho e a nossa missão. A Eucaristia é o grande sinal de que não estamos órfãos neste mundo. A Santa Missa, a partir da fé, deve ser sempre um serviço essencial, que a Igreja oferece ao mundo para sua própria salvação.

Foto: Cathopic.com