O mês da Bíblia é comemorado em setembro desde 1971 e tem como objetivo detalhar os ensinamentos de cada um de seus livros, promovendo encontros em que o foco é conhecer melhor o que cada passagem nos proporciona. Para 2020, o livro escolhido foi o de Deuteronômio.

A Bíblia nos oferece dois direcionamentos distintos. No primeiro, conhecemos a história, o contexto e a vida antes e depois de Cristo. O segundo é o nosso diálogo com Deus, já que a leitura diária é o alimento espiritual para o dia a dia. Por isso, uma mesma passagem fala individualmente para cada fiel.

A relação de cada um com a Sagrada Escritura é individual, mas há em comum o carinho e a atenção com a Bíblia, que vai além das palavras santas. Os textos tornam-se um amigo que nos conhece como ninguém.

Os versículos marcados em momentos que buscam respostas, uma palavra de consolo ou orientação, demonstram a intimidade diária com a Palavra. As figuras de santos de devoção que marcam as páginas são a personificação dos que seguiram os ensinamentos da Palavra e ajudam na intimidade com Deus. Nomes de pessoas queridas que necessitam de orações e para os falecidos em que rezar para sua alma é uma maneira de amenizar a saudade que sentem.

Para Vera Lucia Guidugli Golono, de 72 anos, seu relacionamento com a Bíblia mudou após uma experiência de oração. Desde então, a edição da Ave Maria é a mais usada, mas possui edições da CNBB, TEB e da Pastoral.

Para ela, a Bíblia é o refúgio nos momentos de aflição e fundamental no cenário atual. “Onde iremos buscar socorro? Certamente na Palavra de Deus, pois como já dizia o apóstolo Pedro: ” A quem iremos Senhor? Só Tu tens palavras de vida eterna.” ( Jo 6, 68).

A paroquiana Alessandra Radis, 46 anos, prefere a Bíblia de Jerusalém devido as notas de rodapé que são muito detalhadas para assimilar o conteúdo e ter clareza em seus questionamentos. Com a Pandemia sua relação com a Sagrada Escritura “está infinitamente mais intensa” e se sente buscando mais a Deus.

A serva do GO da Paz Sonia Sueli, 67 anos, usa a versão da Ave Maria para leitura diária, mas quando é para estudo procura outras edições como Vozes, Jerusalém ou a Pastoral. Em 1978 teve um encontro pessoal com Jesus e a Bíblia foi fundamental na sua vida. Companheira para todos os momentos, a Bíblia na Pandemia é “onde busco alimentar a minha fé e esperança. Por meio da leitura orante sou restaurada e dá a certeza de que tudo vai passar.”

Ativa nos Grupos Bíblicos do Reflexão (GBRs) e leitora nas missas, Ivete Rosa Dorth Cavalheiro, 76 anos, tem uma edição de bolso da Ave Maria com uma dedicatória de dom Albano Cavallin, que ela utiliza nos encontros bíblicos. Mas para a leitura diária ela prefere a versão normal.

Sua dedicação para a leitura diária da Bíblia não teve alteração devido a Pandemia, mas mantê-la aberta no Salmo 138 reforça a necessidade da busca do alento na Sagrada Palavra: “Louvor a Deus porque ele atendeu a oração de seu servo”.

 

BÍBLIA DA RAINHA

Para a comemoração dos 60 anos da Paróquia Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos, celebrado em 2018, foi lançada uma edição personalizada da Bíblia, da editora Paulus. A iniciativa reforça a nossa missão de cristão, paroquiano e o sentimento de pertença a Palavra de Deus. A Bíblia personalizada pode ser adquirida na Secretaria Paroquial ou no Plantão do Dízimo por R$ 30.

 

“Abre tua mão para o teu irmão”

Com o lema “Abre tua mão para o teu irmão”, a Comissão Episcopal Pastoral para a animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) escolheu o livro de Deuteronômio para o estudo no mês da Bíblia.

Considerado um dos mais importantes livros do Antigo Testamento, Deuteronômio traz reflexões morais e éticas que tem como destaque promover a justiça e a solidariedade com o irmão, tópicos relevantes ao cotidiano atual em um momento em que cuidar do próximo se torna essencial.

O texto-base traz informações sobre as características, o vocabulário, a importância teológica e orientação para os encontros bíblicos. A CNBB sugere cinco encontros bíblicos para esse ano, baseados na metodologia da Leitura Orante com sugestões de canto, onde cada família possa saborear a Palavra de Deus e conhecer um dos livros mais influentes do Antigo Testamento.

 

Foto: Marcos Zanutto